Biossegurança: O que é e como deve ser feita

Pessoa analisando duas amostras biológicas

A biossegurança é real, os riscos mais ainda, e por isso vamos te guiar no caminho da prevenção.

Vamos te ensinar quais equipamentos usar e como realizar a correta higienização dos seus instrumentos odontológicos.

Está pronto? Então vamos em frente!

O que é a biossegurança?

A Biossegurança pode ser definida como um conjunto de ações destinadas à prevenção e minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades profissionais.

Uma vez entendido o conceito de biossegurança, precisamos falar sobre os meios de infecção para posteriormente abordar as medidas para prevenção.

Como ocorre a infecção?

A infecção ocorre quando um micro-organismo corrompe ou contamina um organismo superior, desencadeando reações atípicas no organismo afetado e consequentemente, reações imunológicas e inflamatórias em diversos níveis.

Simplificando: você é infectado por um micro-organismo e como consequência fica doente, mas não há como definir o “tamanho” da doença.

Mas, como você fica doente?

Formas de transmissão

A transmissão pode ocorrer de 4 formas: direta, indireta, por via aérea ou parental.

Simplificando de forma ampla os conceitos, as formas de transmissão acontecem da seguinte forma:

Direta

É a transmissão através do contato direto entre pessoas, pode acontecer através de via aérea (tosse ou espirro), contato sem proteção com sangue, saliva e outros fluídos corporais.

Indireta

Acontece quanto um objeto recebe os micro-organismos e repassa a outras pessoas através do contato.

É uma das formas mais comum de transmissão e um exemplo clássico é quando o dentista manuseia um objeto usando luvas e outro membro da equipe manuseia o mesmo objeto sem uma proteção.

Via Aérea

Alguns micro-organismos podem ser propagados pelo ar através de gotículas de umidade.

É interessante notar que alguns desses micro-organismos podem viajar longas distâncias através do ar ou de sistemas de ventilação.

Parental

Dos meios de transmissão esse é o mais difícil, pois se dá através da pele lesionada, seja por corte, perfuração, arranhões ou qualquer outro tipo de dano a pele.

Um dos micro-organismos mais comuns de transmissão nesse caso é o HIV.

Transmissão na Clínica Odontológica

As transmissões dentro de uma clínica acontecem de várias formas, vamos citar algumas.

Uma das mais comuns é a transmissão cruzada, onde os micro-organismos da boca do paciente podem ser transmitidos através do contato indireto.

Citando novamente, caso os procedimentos de biossegurança não sejam seguidos, os pacientes podem transmitir uns aos outros algum micro-organismo.

Isso ocorre quando as ferramentas e equipamentos não são esterilizados de forma correta, as barreiras de proteção são ignoradas ou os insumos descartáveis são reutilizados.

Central de Esterilização

Esse é um ponto crítico e é onde a Gnatus entra na rotina de biossegurança de uma clínica.

É importante ressaltar que, apesar da esterilização se consolidar em processos físicos, existem etapas que devem ser seguidas e são essenciais.

Todo serviço odontológico deve conter um espaço exclusivo para esterilização e armazenamento dos materiais reutilizáveis.

A estrutura básica é dividida em 6 itens:

  • Pré-lavagem
  • Lavagem
  • Secagem
  • Embalagem
  • Esterilização / Acondicionamento

O espaço físico deve ser dividido em duas partes, uma para instrumentos contaminados (pré-lavagem, lavagem, secagem e embalagem) e outra para instrumentos limpos (esterilização e acondicionamento).

Se possível, é interessante que esses ambientes sejam isolados e o fluxo seja unilateral, ou seja, sendo impossível que um item limpo retorne para a perto dos contaminados.

Pré-lavagem

É a etapa que antecede a lavagem (limpeza) e deve ser feita com todos os itens que vão ser reprocessados.

A pré-lavagem acontece através da imersão dos itens em detergente enzimático dentro de uma lavadora como a Biofree da Gnatus por pelo menos 5 minutos.

A pré-lavagem ocorre em uma lavadora como a Biofree por conta de sua cuba ultrassônica, que realiza a limpeza dos itens através do ultrassom aliado ao detergente que deve contar pelo menos 3 enzimas: protease, amilase e lipase.

Lavagem

A lavagem (limpeza) é a etapa mais importante do processo, já que os resíduos podem esconder micro-organismos que ocasionam infecções.

O processo de limpeza tem a função de remover o material orgânico que possa permanecer nos itens por meio do biofilme

Também é importante que o processo de limpeza ocorra o mais breve possível por motivos como:

  • Maior dificuldade na remoção do material biológico decorrente do ressecamento do mesmo;
  • Redução do risco dos funcionários uma vez que os micro-organismos se reproduzem em progressão geométrica;
  • Proteção dos materiais contra a corrosão decorrente da ferroxi-hemoglobina contida no sangue.

Após a pré-lavagem através da submersão dos itens na cuba da lavadora em detergente enzimático, chega a hora de ligar o equipamento.

A lavagem é realizada através do ultrassom da lavadora Biofree que é mais eficaz que a limpeza manual.

Diante disso, devemos optar pela lavagem na lavadora Biofree sempre que possível.

Secagem

Essa é a etapa que jamais deve ser esquecida. Faz parte do preparo dos itens para os processos de desinfecção ou esterilização.

A secagem precisa ser feita com papel-toalha de boa qualidade ou compressa cirúrgica – jamais por toalha de tecido.

Inspeção visual

É importante que os itens sejam inspecionados logo após a sua secagem. Essa etapa confiram a eficácia da limpeza através da inspeção com lupa.

Embalagem

Hoje chamada de barreira, a embalagem é obrigatória para o processo de esterilização.

Embora exista a necessidade de economia nos processos, a embalagem não deve ser incluída nesse grupo.

Não podemos esquecer que a principal finalidade da embalagem é servir como proteção do material após o processo de esterilização, impedindo uma nova contaminação enquanto armazenado.

É recomendado que a embalagem seja feita com Papel Grau Cirúrgico – que pode ser adquirido em bobinas e selados utilizando uma seladora como a Clean Pack da Gnatus, que garante no mínimo 10mm de selamento.

As esterilizações tem validade máxima de 7 dias para serviços odontológicos na maioria dos estados brasileiros.

Esterilização / Acondicionamento

Esterilização é o processo que elimina completamente os micro-organismos para manter o nível de segurança aceitável.

Os métodos de esterilização são:

  • Físico
  • Químico
  • Físico-químico

Entretanto, no Brasil só é permitido o método físico para serviços odontológicos. O que torna a Bioclave da Gnatus o equipamento ideal para esse tipo de procedimento.

A Bioclave da Gnatus é fabricada em dois tamanhos, 12 e 21 litros, garantindo o melhor dimensionamento para seu consultório, evitando capacidade ociosa.0

Lembrando que, para autoclavar os itens é necessário que estejam devidamente embalados em Papel Grau Cirúrgico respeitando o mínimo de 10mm de selamento.

Para embalar os itens a melhor solução é o uso da seladora Clean Pack da Gnatus.

 

Como equipar sua clínica

Para equipar sua clínica com os equipamentos mais seguros do mercado basta preencher o formulário, um especialista em Biossegurança vai entrar em contato e auxiliar sua escolha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *