Odontologia humanizada: Abordagem de odontopediatras na adaptação das crianças

Menina com um protótipo de boca na mão

A primeira visita de um bebê ou criança para um atendimento odontológico é sempre um evento e exige dos especialistas uma atenção e dedicação diferenciada. Afinal o ambiente pode causar, aos pequenos, medo, desconforto e receio.

Por isso a Associação Brasileira de Odontopediatria reconhece que ao iniciar cuidados de saúde bucal para pacientes infantis ou com necessidades especiais, é preciso se adaptar e abrir mão de técnicas comportamentais e farmacológicas.

Existem várias técnicas de adaptação do comportamento, as quais devem ser aplicadas após avaliado o nível de desenvolvimento da criança, suas atitudes, seu temperamento e tentar prever sua reação ao tratamento.

Mas como agir?

O odontopediatra deve sempre se comunicar com o paciente, de forma clara e direta. Dando preferência por olhar nos olhos da criança e quando houver mais pessoas na sala falar um de cada vez. Isso porque, este grupo tem a tendência de ater sua atenção em uma fala e muitas vozes podem confundir e provocar na criança reações de medo e ansiedade.

O primeiro contato

dentista tendo o primeiro contato com o paciente e mostrando o fio dental

 

Quando possível ir até a sala de espera para que o primeiro contato seja feito de forma tranquila. Já neste momento é possível identificar o medo, a ansiedade ou se a criança é um pouco mais agitada. Em todos os casos o profissional deve controlar a voz e mostrar confiança.

O preparo

mãos de uma dentista mostrando equipamentos odontológicos para uma criança

 

Ao entrar na sala, este grupo de pacientes, pode se mostrar maravilhado com todos os equipamentos, como também pode se assustar. De alguns minutinhos para que eles mesmos façam a ambientação, mas sem que você perca tempo de consulta.

Ao realizar o preparo da criança e sentá-la na cadeira odontológica, sempre que possível optar pela forma lúdica e tranquila, deixando-a à vontade e seguro.

A consulta

dentista analisando por vídeo os dentes de uma criança

 

Já durante a consulta, uma boa dica é a técnica mais conhecida pelos profissionais como: “Falar-mostrar-fazer”/ “Tell-show-do (TSD)”. Criada por Addelston, ela indica que o profissional fale o que irá fazer e mostre a criança como o aparelho funciona, dai então faça o procedimento.

A TSD pode trazer ao paciente mais segurança com a sensação de que tem um conhecimento do que e como o procedimento será feito.

 Dica bônus

dentista fazendo um coração com a mão com uma paciente criança

 

A postura, a linguagem corporal e as expressões faciais do profissional também fazem parte dessa comunicação e podem ser usadas de forma a reforçar a presença e confiança do odontopediatra como também para controlar a situação em casos de pacientes muito eufóricos.

Como, por exemplo, recompensar o paciente pelos comportamentos desejados, seja por uma fala positiva, demonstrações físicas apropriadas de afeto ou uma lembrancinha no final da consulta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *